Arquivos com esta Tag

3 Artigos

Qual o impacto da participação de estudantes em eventos e competições para os pilares que sustentam um grupo de pesquisa?

by mmm15

Os benefícios visíveis para os alunos, o C3SL, a Universidade, apoiadores e a sociedade com a participação e premiação em eventos de pesquisa.

O grupo que vai para a Alemanha em junho!

Alunos do Centro de Computação Cientifica e Software Livre, grupo de pesquisa do Departamento de Informática, da Universidade Federal do Paraná foram selecionados para participar da Competição de Cluster de Estudantes do ISC-HPCAC (SCC), que acontecerá entre 25 à 27 de junho, em Frankfurt na Alemanha. O objetivo da competição é construir máquinas de alta performance com um limite de energia determinado.

A competição seleciona alunos do mundo todo.  Até 12 conjuntos podem participar. Neste ano, 8 foram selecionados. O grupo composto por Egon Nathan Bittencourt Araujo, Gabriel Cândido, e Luiz Felipe Abrão Reis, Bruno Tissei, Giovanne Marcelo, Jedian Brambilla, orientados pelos professores Daniel Weingaertner e Marco A. Zanata Alves compõem a equipe brasileira.

Pela primeira vez um grupo da UFPR, participa de uma competição desse nível.  Os esforços para esse resultado vem acontecendo desde o ano passado, quando o mesmo grupo participou de competições parecidas dentro do país. “Usamos outras maratonas, como um treino, para ver como seria, e concordamos que se conseguíssemos um bom resultado o colocaríamos como base para inscrição e proposta nesta competição na Alemanha”, afirma  Gabriel Cândido, integrante do grupo selecionado.

Para os integrantes do C3SL, a notícia é velha. Mas você sabe o que realmente significa a participação desses alunos nessa competição, e de tantas outros alunos e grupos premiados em eventos nacionais e internacionais? Qual o impacto gerado para a Universidade, para o Departamento de Informática e para a sociedade?

A Competição

Ao longo de três dias, a Conferência recebe mais de 3 mil participantes. As equipes do SCC participam das sessões de conferência ISC High Performance e estarão rodeadas por mais de 160 expositores de todo o mundo.

A participação em uma competição mundial — além do currículo — traz desenvolvimento de habilidades críticas, relacionamentos profissionais e espírito competitivo. Mas o desenvolvimento profissional de cada um dos participantes não é a única vantagem presente na atuação do grupo nessa disputa.

O ISC High Performance traz vantagens visíveis para o Centro de Computação Científica e Software Livre, para a Universidade Federal do Paraná, para o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações — que financiará em parte a ida dos participantes para a Alemanha e o principal, resultados de impacto para a sociedade.

O Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL)

A participação dos meninos na competição traz para o grupo de pesquisa a possibilidade de seguir desenvolvendo softwares de nuvem — que não obrigam o usuário a baixá-los em seus computadores, já que permitem seu uso online.

Com a seleção para a competição surgiu a necessidade de ir em busca de um equipamento de alta performance — o cluster, que basicamente é um conjunto de computadores fortemente ligados que trabalham juntos. Esse equipamento permite que novos projetos e softwares  sejam desenvolvidos e que a aplicação e o desenvolvimento dos mesmos seja cada vez mais rápida e fácil.

Assim, o C3SL, tem a possibilidade de criar novas pesquisas no campo de processamento de alto desempenho, fechar novas parcerias e ainda, o mais importante, desenvolver mais e melhor os projetos já existentes dentro do grupo de pesquisa.

A Universidade Federal do Paraná

A Universidade, além de ganhar projeção internacional, tem ganhos absolutos para seu desenvolvimento. Como por exemplo, a oferta de disciplinas no Departamento de Informática, (CI091 – Tópicos em Análise de Desempenho) que não existiam antes do aceite nessa competição

A disciplina que atende a graduação e pós-graduação aborda aspectos teóricos e práticos de configuração e otimização de infraestrutura computacional de grande porte. Os membros da equipe aceita além de outros 5 alunos matriculados na disciplina trabalham na instalação, configuração e teste de diversos programas utilizados para análise de desempenho de computadores de grande porte.

Com essa disciplina “os alunos aprendem a ajustar a máquina, configurar programas,  equipamento, e atender da melhor forma problemas de computação científica que possam surgir” garante o Daniel Weingaertner, orientador do grupo na competição·

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC)

O MCTIC,  aceitou apoiar a ida e o desenvolvimento dos participantes por diversos motivos. O principal deles é o benefício possível à projetos — em que a parceria entre o MCTIC e o C3SL já acontece — como o Cidades Digitais.

Para manter o projeto que leva tecnologia, inclusão e democratização da informação a cidades pequenas do Brasil, é necessário manter o parque computacional que dá suporte a  esse projeto — o do C3SL — em desenvolvimento.

O aceite na competição, dessa forma, leva os alunos participantes a gerarem pesquisas, desenvolvimento e relatórios para o parque computacional, o que leva projetos adiante.

Sociedade

Os benefícios para a sociedade se mesclam a todos os pontos citados anteriormente.  O C3SL mantém sua pesquisa e o desenvolvimento de projetos atualizados, o que faz com que muitas pessoas sejam beneficiadas com tecnologia, informação e inclusão todos os dias.

A Universidade gera novas pesquisas, garante que alunos tenham desenvolvimento intelectual e moral, formando profissionais mais preparados.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, com seus apoio, garante que projetos continuem em pleno desenvolvimento, atingindo uma parcela significativa da população e da sociedade.

Dessa forma “o que se verifica é a universidade, por meio de um grupo de pesquisa, o C3SL, devolvendo investimentos públicos com desenvolvimento à sociedade” como garante Marcos Sunye Diretor do Setor de Ciências Exatas da UFPR.  O ciclo tem início, meio e fim. E o impacto da participação em uma competição atinge todos.

Seleção de novos bolsistas

by mmm15 0 Comments

O C3SL está selecionando alunos dos Cursos de Bacharelado em Ciência da Computação, Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas ou da Informática Biomédica da UFPR para trabalhar em projetos de Software Livre.

  • Perfil e conhecimentos desejados:

– Iniciativa e criatividade;

– Instalação e administração básica de GNU/Linux;

– Shell scripts e noções de programação (Ruby on Rails, frameworks Javascript, Python, ou capacidade de aprender rapidamente);

  • Atividades:

– Desenvolvimento de Software Livre;

–  Administração de sistemas e aplicativos GNU/Linux;

– Desenvolvimento de programas de automação e aplicativos Web;

  • Dedicação:

– 20 horas semanais;

– Valor mensal da bolsa: R$790,00;

– Início das atividades em meados de janeiro;

  • Inscrições:

– data limite: até 30 de novembro de 2017;

– como: entregar na sala do C3SL (em frente ao lab3):

– histórico escolar atualizado (contendo o semestre 2017-1, o IRA e as notas) (somente calouros do 1º semestre não precisam entregar isto);

– xerox do RG e CPF;

– texto de livre redação contendo motivações para trabalhar no C3SL e resumo de suas habilidades;

– CV com email para contato (preferencialmente o do DInf);

  • Seleção:

– como: entrevista + análise da documentação entregue;

– onde: na sala do C3SL (em frente ao lab3);

– quando: as entrevistas serão agendadas através do seu e-mail;

 

Da UFPR para o mundo : Jorge Augusto Meira

by mmm15 0 Comments

Trabalhando na Universidade de Luxemburgo, ex-integrante do C3SL, conta sobre sua trajetória, e como conseguiu alcançar seus objetivos.

Foto : scienceRELATIONS.

 

O ex – estudante de informática Jorge Augusto Meira, conhecido também como Guto, trabalha hoje como “Data Scientist”, ou pesquisador associado, em um projeto de pesquisa que tem parceria com uma empresa que faz detecção de fraude na distribuição de energia elétrica na Universidade de Luxemburgo. Ex-aluno da Universidade Federal do Paraná, e também ex-integrante do Centro de Computação Científica e Software Livre, ele aceitou contar um pouco sobre sua trajetória como forma de inspiração a outros alunos.

Na escolha do curso, ele ficou entre música e informática, na época, a informática  era uma das opções porque, gostava de “mexer” no computador, não fazia idéia do mundo de possibilidades que existiam dentro do curso. Na hora da opção final, escolheu levar a informática como profissão, e deixar a música como lazer. E se apaixonou! Tanto que trabalha no meio acadêmico, e não se vê em outro lugar.  A graduação e mestrado foram momentos de muito aprendizado e trabalho duro, mas  gostar do curso fez, para ele, a graduação se tornar uma experiência única.

Jorge trabalhou no C3SL em três momentos distintos da sua vida acadêmica, teve oportunidade de ser um dos primeiros estagiários do projeto, trabalhou com o C3SL em seu mestrado e por fim, também participou ativamente quando lecionou na Universidade Federal do Paraná como professor substituto em 2015. Para ele, a experiência adquirida, foi de enorme importância para aprender a organizar e executar projetos, na teoria e na prática e também influenciou diretamente na escolha de sua área de atuação.

A vaga na Universidade de Luxemburgo, surgiu de maneira despretensiosa, estava no site da Universidade mesmo. O que fez diferença no processo de obtenção da vaga foi, segundo Jorge, “a base científica que você tem e conhecimentos sólidos relacionados ao tema dos projetos em que irá trabalhar, no meu caso, banco de dados, data mining e machine learning”. Hoje, seu trabalho é diretamente relacionado à qualidade de dados e melhoria de algoritmos de machine learning para a detecção de fraude. A busca por essa vaga foi definida por toda sua trajetória acadêmica, mais especificamente o que aprendeu na graduação, mestrado e doutorado sobre banco de dados.

Para Jorge, adquirir um cargo interessante em uma empresa, tem relação total com preparo. Estar preparado para o mercado de trabalho, e para a área em que deseja atuar. Como exemplo, usa o emprego atual, “fazer parte do doutorado na Universidade de Luxemburgo, trouxe mais confiança para tentar a vaga e consegui-la”.

Quando perguntado sobre sucesso, ele garante que “ Sucesso é trabalhar na área que gosta e procurar sempre ampliar o conhecimento!” . Sua grande inspiração é o conhecimento, aprender, se for possível aprender, levar e conhecer a informática viajando o mundo. “Eu não sei onde quero chegar, mas o caminho para chegar “lá” está sendo muito bom e me trazendo muitas realizações. Faça seu melhor e o resto vem de brinde!”.