Novos bolsistas do C3SL participam de semana de integração na UFPR

Seleção contou com inscrição de 70 alunos de graduação dos cursos de Ciência da Computação e Informática Biomédica

Começaram nesta segunda-feira (15) as atividades de integração dos novos bolsistas de pesquisa do Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). As atividades de capacitação seguem até quarta-feira (17). Neste primeiro edital de 2024, foram selecionados 21 alunos de graduação de um total de 70 inscritos dos cursos de Ciência da Computação e Informática Biomédica.

Os alunos foram recepcionados pelo bolsista e gerente de projetos, Richard Heise, que apresentou as atividades de pesquisa e os projetos desenvolvidos pelo C3SL. Formando em Ciência da Computação e responsável pela gestão do projeto do repositório de recursos educacionais do MEC, Heise destacou na dinâmica com os alunos o uso do método ágil como forma de organização dos projetos do centro de computação.

Com 15 professores doutores vinculados ao grupo e cerca de 30 alunos de graduação, mestrado e doutorado, o C3SL conta atualmente com três grandes projetos em andamento: Pesquisa e Inovação em Sistemas de Informação para Saúde; o Laboratório de Dados Educacionais, que abrange as plataformas MapFor, SIMCAQ e um repositório de indicadores; e a plataforma de Recursos Educacionais Digitais do MEC.

Cada um dos novos bolsistas integrará as equipes de professores e demais pesquisadores por projeto. A distribuição entre os programas em desenvolvimento é definida pelo perfil e habilidade do bolsista, bem como das preferências de atuação indicadas na entrevista no processo seletivo. Junto ao C3SL, os novos bolsistas terão 20 horas de dedicação semanal presencial nas dependências do Departamento de Informática (Dinf) da UFPR.

Apesar do foco em desenvolvimento de projetos com parcerias externas, Heise reforçou aos bolsistas que a preocupação é o fomento à pesquisa. Desta forma, os alunos são fortemente convidados a desenvolverem pesquisas nas diversas áreas da computação e têm a oportunidade de interagir com outros alunos que já até publicaram e apresentaram artigos. Segundo o gerente de projetos, diversas publicações científicas, divulgação em eventos, dissertações e trabalhos de conclusão de curso foram produzidos por ex-bolsistas tendo como objeto de pesquisa a atividades do C3SL.  

No encontro com os novos bolsistas, o pesquisador e um dos fundadores do C3SL, Marcos Castilho, reforçou a centralidade do aprendizado e do caráter de experimentação dos alunos durante as atividades junto ao centro de computação. “O C3SL não é uma fábrica de software. Nós estamos dentro de uma universidade. Vocês serão programadores. Mas, antes de tudo, aqui são estudantes. E o que faz um estudante? Pesquisam, propõem soluções, medidas alternativas e inovadoras para um problema. E é a partir desta perspectiva que devem compreender a sua atuação junto ao C3SL”.

Também presente na atividade de boas-vindas aos bolsistas, o professor do Dinf e pesquisador do C3SL, Eduardo Todt, frisou o papel do interesse público nos projetos encabeçados pelo centro de computação, sobretudo em parceria com governos federal, estadual e municipal. “O C3SL sempre faz projetos importantes para a sociedade. E vocês agora são do C3SL e passam a contribuir com atividades de ação social, com impacto na sociedade”.

Aprovados no Processo Seletivo 2024.1

Os candidatos abaixo foram aprovados no processo seletivo do C3SL.
Parabéns a todos!

O início das atividades será comunicado por e-mail oportunamente.

Aprovados (em ordem alfabética):

  • Barbara Reis Dos Santos
  • Bernardo Pavloski Tomasi
  • Cauê Mateus Gonçalves Venturin Samonek
  • Davi Campos Ribeiro
  • Eduarda Saibert
  • Eduardo Faria Kruger
  • Eduardo Vudala Senoski
  • Eloiza Sthefanny Rocha Da Silva Cardoso
  • Gabriel Lisboa Conegero
  • Gabriel Lüders
  • Gabriela Fanaia De Almeida Dias Dorst
  • Guilherme Eduardo Gonçalves Da Silva
  • Heloisa Dias Viotto
  • João Meyer Muhlmann
  • João Pedro Vicente Ramalho
  • Luize Cunha Duarte
  • Maria Luiza Palácio da Silva
  • Mateus Dos Santos Herbele
  • Pedro Folloni Pesserl
  • Pedro Henrique Friedrich Ramos
  • Theo Simonetti Schult

Foi um processo seletivo muito difícil e com mais de 70 inscritos. Foram 21 selecionados.

Agradecemos imensamente todos que se candidataram e torcemos em revê-los procurando participar do C3SL no futuro!

Convocação para as entrevistas da chamada de seleção de novos bolsistas 2024.1

Bom dia, foi realizada a pré-seleção levando diversos fatores dos candidatos como critério. Essa será a lista de candidatos que serão entrevistados.

Serão 4 bancas compostas por diferentes professores e pessoal capacitado. As entrevistas serão realizadas, via de regra, na sala do C3SL no primeiro andar do Departamento de Informática, em frente ao lab 3. Os candidatos serão chamados, um a um, conforme as entrevistas andarem. Há a possibilidade de mudar o local da entrevista no dia, portanto fiquem atentos.

Segunda-Feira (08/04)

9:00h
1. Barbara Reis Dos Santos
2. Athos Santos Scremin
3. Caio Francisco Stadler Sguario
4. Caue Mateus Goncalves Venturin Samonek
5. Daniel Celestino De Lins Neto

10:00h
6. Davi Campos Ribeiro
7. Davi Garcia Lazzarin
8. Eduardo Faria Kruger
9. Eduardo Mathias De Souza
10. Eduardo Munaretto Majczak

11:00h
11. Eloiza Sthefanny Rocha Da Silva Cardoso
12. Fábio Naconeczny Da Silva
13. Gabriel Lisboa Conegero
14. Gabriel Pucci Bizio
15. Luize Cunha Duarte

Terça-feira (09/04)

9:00h
1. Eduardo Vudala Senoski
2. Gabriela Fanaia De Almeida Dias Dorst
3. Giovanna Fioravante Daeledone
4. Guilherme De Queiroz Lima Roth
5. Guilherme Dos Santos Ferreira Alves

10:00h
6. Guilherme Eduardo Gonçalves Da Silva
7. Guilherme Possani Ramos
8. Heloisa Dias Viotto
9. Joao Meyer Muhlmann
10. Joao Pedro Vicente Ramalho

11:00h
11. Kaue De Amorim Silva
12. Lucas Silveira Portela
13. Mardoqueu Freire Nunes
14. Maria Luiza Palácio da Silva

Quarta-feira (10/04)

9:00h
1. Alex Matsuo
2. Alexandre De Oliveira Plugge Freitas
3. Alexandre Stoll Calisto
4. Amanda Pollyanna Da Silva Rodrigues
5. Andre Grassi De Jesus

10:00h
6. Arthur Dos Santos Lima Gropp
7. Augusto Antonio Kolb Schiavini
8. Bernardo Nunes Paixão
9. Bernardo Pavloski Tomasi
10. Bruno Dal Pontte

11:00h
11. Caio Eduardo Ferreira De Miranda
12. Gabriel Luders
13. Theo Simonetti Schult
14. Eduarda Saibert

Quinta-feira (11/04)

9:00h
1. Alexander Danila Mion
2. Mateus Dos Santos Herbele
3. Matheus Gimenes Da Silva Viana
4. Matheus Sebastian Alencar De Carvalho
5. Matheus Telles Batista

10:00h
6. Natã Abraão Serafini Da Rocha
7. Pedro Folloni Pesserl
8. Pedro Henrique Friedrich Ramos
9. Rafael Lima Dias
10. Rafael Munhoz Da Cunha Marques

11:00h
11. Rafael Ribeiro Kluge
12. Ricardo Prado Faria
13. Thiago Fabricio De Mello
14. Thiago Zilio Assunção
15. Yago Yudi Vilela Furuta

– –

Os horários são somente para fins indicativos, caso você chegue antes do seu horário há a possibilidade de entrevistar antes, por ordem de chegada.

Caso o candidato perca a entrevista, mande um e-mail informando e remarcaremos se possível, mas vale ressaltar que os horários devem ser respeitados sempre que possível.

Nós mesmos vamos chamando os candidatos conforme as entrevistas andarem.
Pedimos que mantenha o celular no modo silencioso durante a realização da sua entrevista.

Candidatos que não foram selecionados na primeira etapa poderão entrar para a lista de espera, portanto, deem o seu melhor!

Boa sorte a todos!

C3SL está com vagas abertas para alunos da UFPR.

São bolsas de pesquisa para alunos de graduação e pós dos cursos de Ciência da Computação e Informática Biomédica. É necessário que o aluno tenha disponibilidade para se dedicar 20 horas semanais, com atividades presenciais.

Os bolsistas atuarão nos projetos de pesquisa e desenvolvimento do C3SL, localizado no Departamento de Informática da UFPR. Os candidatos que participaram de seleções anteriores podem realizar o processo seletivo novamente para melhorar sua nota.

O tempo no C3SL pode ser validado como estágio obrigatório e projeto de IC. Os alunos são fortemente convidados a desenvolverem pesquisas nas diversas áreas da computação e têm a oportunidade de interagir com outros alunos que já até publicaram e apresentaram artigos.

As inscrições começam dia 26/02 (segunda-feira) e vão até 10/03 (domingo), às 23:59h.

A bolsa para graduação começa em R$1.200,00.
A bolsa de mestrado começa em R$3.500,00.
A bolsa de doutorado começa em R$6.000,00.

A documentação necessária é seu histórico acadêmico atualizado, carta de motivação, frente e verso do RG, currículo e declaração de não beneficiário de bolsa assinada (há um template anexado ao edital).

Informações extras são encontradas no Edital de Seleção.

O Edital sofreu alterações e uma declaração de não recebimento de bolsa é necessária (em anexo no Edital), caso o candidato possua bolsa de outro projeto ou vínculo empregatício vigente, pode fazer a entrevista normalmente, caso seja selecionado, poderá decidir ficar ou não no laboratório.

O Edital, para fins de esclarecimento, é de 2022 e é de fluxo contínuo, o que significa que não precisamos relançá-lo para abrir um novo PS, como este. Porém, algumas informações estão desatualizadas, como valor das bolsas, confiem no post do processo seletivo desse ano.

Mesmo que o candidato já receba bolsa de alguma IC, mande para nós a declaração assinada, pois caso o candidato seja selecionado não precisamos requerer o documento novamente.

Confira o nosso guia do candidato.

A documentação pode ser entregue por e-mail (com toda a documentação em anexo) para selecao@c3sl.ufpr.br com o título “[C3SL] Inscrição para seleção de bolsa”.

O prazo para envio do email é até 10 de Março às 23:59h!

As entrevistas serão realizadas presencialmente. Aguarde informações por e-mail.

C3SL na SBPC

O professor e pesquisador do C3SL Luis Bona foi moderador da mesa “Infraestrutura para Cidades Sustentáveis” durante a programação da 75ª reunião anual da SBPC, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. O evento é um dos maiores de ciência e neste ano acontece em Curitiba, na Universidade Federal do Paraná, UFPR.

A mesa contou com a participação de Gustavo Possetti, da Sanepar, Ana Jayme, do IPPUC, Isac Roizenblatt, da Associação Brasileira da Indústria de Iluminação, a ABILUX, e Manuel Steidle, da Fundação CERTI. O encontro ouviu especialistas comprometidos com políticas públicas e debateu sobre desafios e dificuldades da transformação digital no âmbito da cidade.

A SBPC vai até dia 29 de julho, com diversas atividades em todos os campi da Universidade. Acompanhe a programação no site https://ra.sbpcnet.org.br/75RA/.

Pesquisa de doutorando do DInf fica entre as 3 melhores em Congresso Internacional

O doutorando do Departamento de Informática e orientando do professor do C3SL, Eduardo Almeida, Sérgio Luiz Marques Filho, teve seu trabalho reconhecido como uma das 3 melhores pesquisas durante a edição de 2023 do Congresso ACM SIGMOD/PODS, realizado em Seattle, nos EUA. A apresentação do pesquisador foi custeada pelo C3SL.

O Congresso aconteceu dos dias 18 a 23 de junho e é um dos mais importantes fóruns internacional para pesquisadores, profissionais, desenvolvedores e usuários de bancos de dados para explorar ideias e resultados de ponta, além de uma grande oportunidade de  troca de técnicas, ferramentas e experiências.

A pesquisa do Sérgio, intitulada “Discovering Denial Constraints Using Boolean Patterns”, trata da descoberta de Restrições de Negação (RN) utilizando um novo método denominado Boolean Patterns, que reduz drasticamente as estruturas intermediárias necessárias para a descoberta de RN e que pode ser implementado em software e em hardware utilizando FPGA para acelerar a descoberta de RN.

“Depois de apresentarmos o poster, fomos convidados a apresentar o trabalho junto com os demais, isso foi muito positivo. Somos os primeiros brasileiros a chegar tão longe nessa competição”, disse Sérgio. O trabalho faz parte da sua pesquisa de doutorado, e a partir de agora terá continuidade.

UFPR lança plataforma que mapeia formação docente dos mais de 2 milhões de professores no Brasil 

Entre os dados do Mapfor estão os de que 43% dos docentes do Brasil possuem pós-graduação, 5% não possuem uma formação mínima e 38% das docências não estão com formação adequada.

Qual é a formação dos professores brasileiros? Essa é a reposta que o projeto Mapfor, lançado nesta semana procura responder. A plataforma foi desenvolvida por meio de uma parceria entre o Grupo de pesquisa interinstitucional Laboratório de Dados Educacionais (LDE), que reúne a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Federal de Goiás (UFG) e o Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) da UFPR. O projeto mapeia a formação dos docentes atuantes em escolas públicas e privadas seja no contexto brasileiro, de um estado, município ou mesmo de cada escola por meio de dados do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Também apresenta dados das matrículas e cursos de licenciatura no Brasil, estados, municípios, instituições ou ainda em cada local de oferta com base nos dados do Censo da Educação Superior (Inep).

A plataforma foi pensada para ser um instrumento de planejamento e acompanhamento das políticas de formação de professores, tanto em instituições formadoras (universidades e demais instituições de ensino superior), quanto nas unidades governamentais responsáveis pela gestão da educação básica (secretarias de educação, conselhos de educação, comissões parlamentares etc.). Também busca apresentar um diagnóstico da realidade da formação dos mais de 2 milhões de docentes brasileiros, bem como das mais de 1.500 mil matrículas em cursos de licenciatura.

“O lançamento da Plataforma foi uma atividade vinculada aos 50 anos do Setor de Educação da UFPR, setor a qual se vincula o grupo do LDE. A plataforma foi desenvolvida com recursos de Emenda Parlamentar da Senadora Gleisi Hoffmann. O Mapfor tem sua origem ainda em 2018 quando foi desenvolvida a Plataforma Mapfor Paraná, financiada pela Prograd da UFPR.  O projeto foi ampliado pelo entendimento que fazer um diagnóstico da realidade com base em dados e indicadores como os apresentados pela plataforma é apenas uma das maneiras que a universidade tem de contribuir na promoção de políticas públicas para o país”, disse Gabriela Schneider, coordenadora do LDE.

Entre os dados coletados, tratados e disponibilizados no formato aberto, de software livre, é possível observar especificações sobre a formação docente, a oferta e a demanda dessa formação. “A gente viveu nos últimos anos o que chamamos de apagão de dados de várias áreas, e a educação foi uma delas. Então, hoje, termos um projeto como Mapfor, que traz transparência em formato de código aberto é uma grande vitória para a Educação e para o desenvolvimento da pesquisa e da ciência. A questão da Lei de Proteção de Dados vem sendo usada como ferramenta para chancelar a falta de transparência dos dados públicos, e projetos como este devem ser cada vez mais produzidos e divulgados”, explica Eduardo Almeida, professor do Departamento de Informática da UFPR e pesquisador do C3SL.

Dados e políticas públicas

O raio-x da formação docente revelou, entre muitos resultados, que a Região Sul é quem mais possui professores com pós-graduação (62,4%), seguido pela Região Centro-Oeste (49,8%), Nordeste (39,7%), Sudeste (38,8%) e Norte (33%). É possível ainda filtrar por estado, município e até mesmo por escola. Além disso, é possível acompanhar de 2012 a 2019, a quantidade de cursos de licenciatura ofertado, assim como o número de matrículas realizadas em cursos de licenciaturas, que vem aumentando: em 2012 foram pouco mais de 1.300.000 e em 2019 esse dado cresceu para 1.687.000.

“Esse é um levantamento muito importante para a Educação, que somente a universidade consegue realizar. Claro que grandes empresas de informática têm essa capacidade, mas não têm interesse, assim como o governo por si próprio não tem ferramenta, nem mão-de-obra para tal. É aí que entra a universidade pública como braço para que, a partir desses dados, possam existir políticas de formação dos professores”, disse Luiz Bona, chefe do departamento de Informática e pesquisador do C3SL.

Para a execução do projeto, levantamento, tratamento, criação da plataforma, foram envolvidos mais de 15 estudantes bolsistas da Universidade, que trabalharam durante mais de um ano e maio para colocar a plataforma no ar. “É muito muito interessante participar deste espaço que a universidade proporciona, onde projetos e pesquisas interdisciplinares podem acontecer com facilidade. Além, é claro da importância pra gente como estudante de participar de um projeto tão grande e que pode contribuir muito com a educação. Saber que a universidade pode ser um espaço não só de aprendizado, mas também de execução de projetos aplicáveis à realidade do país, é um grande passo na carreira”, finalizou Fernando Gbur, um dos bolsistas do Mapfor.

Sobre o C3SL

O Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) é um grupo de pesquisa do Departamento de Informática da UFPR que realiza pesquisas em diferentes áreas do conhecimento e que podem ser empregadas para aprimorar processos e serviços tanto para empresas  por meio da Lei de Informática e Lei do Bem, quanto para instituições e órgãos públicos. São seis linhas de pesquisa ativas no grupo: Ciências Forenses Computacionais; Inteligência Artificial Aplicada; Medicina Assistida por Computação Científica; Preservação Digital; Sistemas Computacionais Avançados; Sistemas para Informática na Educação. Os projetos realizados pelo grupo de pesquisadores são direcionados para a inclusão digital, buscando sempre beneficiar a sociedade brasileira de maneira geral. Assim, todo pacote de software que resulta destes estudos é publicado em forma de software livre.

www.c3sl.ufpr.br

C3SL recebe palestra de egresso e ex-bolsista que atua em um dos maiores streamings da África

Os bolsistas do C3SL tiveram a oportunidade de conferir uma palestra com o egresso do Departamento de Informática e ex-bolsista do C3SL, Diego Pasqualin. Diego, que é Engenheiro de Mídia há aproximadamente 3 anos na Showmax, um dos maiores streamings do continente africano e presente em mais de 80 países da África Subsaariana, recentemente se mudou para o Brasil, mas até pouco tempo morava na República Tcheca. O profissional trabalha no time responsável por melhorar o sistema de compressão de vídeo e áudio, procurando sempre maximizar a qualidade visual e auditiva ao mesmo tempo em que se reduz o tamanho dos arquivos transferidos. Durante a passagem por Curitiba, Diego fez questão de passar no C3SL.

“Participei do C3SL durante praticamente toda minha carreira acadêmica e falo com segurança e orgulho que o grupo ensina e oferece excelência em desenvolvimento de software, com o benefício extra de um grande e positivo impacto social. Posso citar como exemplo o Linux Educacional, utilizado por milhões de alunos, professores e técnicos nas escolas públicas brasileiras e do qual tive o prazer de participar. Quando estava buscando oportunidades na Nova Zelândia me diverti comentando que a base de usuários do Linux Educacional correspondia, na época, ao dobro da população do país, e a partir do C3SL prestávamos suporte e atualização automática aos centenas de milhares de computadores integrantes do projeto, escala essa que impressiona qualquer entrevistador”, disse Diego.

Na conversa com os alunos, o ex-bolsista contou como funciona toda a engenharia de dados da plataforma e deu mais detalhes sobre a indústria de streamings, além de curiosidades. Entre elas o fato de que todos os engenheiros da ShowMax moram em Praga, e todas as versões dos arquivos trabalhados ficam numa “nuvem” que tem sede na Alemanha. Ainda, relatou curiosidades sobre a cultura local em que o streaming é líder de mercado, que impacta na rotina de trabalho, como por exemplo o fato de que todos os dias na África do Sul as cidades ficam sem luz uma hora por dia e que todos os moradores possuem um gerador próprio, e que é preciso pensar nisso na hora de criar processos e fluxos. “A Showmax foi a primeira plataforma de streaming a disponibilizar download para assistir offline pensando nisso”, conta ele.

Diego ainda falou sobre o uso de software livre em várias etapas do processo, e a importância dele. “O FFMPEG, por exemplo, é um projeto de software livre e que é usado pela maioria dos streamings para comprimir vídeos de altas resoluções. São 10 voluntários no mundo mantendo um programa essencial para esse mercado”, finaliza ele.

Livro didático e tecnologia: como a inovação pode ajudar o PNLD, um dos maiores programas de distribuição de livros didáticos gratuitos do mundo

Grupo de pesquisa da UFPR da área de informática busca otimização no processo de logística do programa e está desenvolvendo painel de indicadores

85 anos. Esta é a idade do Programa Nacional do Livro Didático, o PNLD, programa desenvolvido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Ministério da Educação. Para se ter uma ideia, atualmente, são mais de 172 milhões de livros distribuídos nos mais de 5 mil municípios brasileiros. Entre os outros números que impressionam estão também as mais de 150 mil escolas e os 32 milhões de alunos atendidos. Todos esses dados mostram a complexidade de um dos maiores sistemas de produção e entrega de material didático do mundo e alertam para a necessidade de reformulações constantes no programa, que movimenta mais de R$ 1 bilhão por ano. E para que isso aconteça é preciso começar a falar de inovação.

“O sistema de logística do Programa é complexo mas funciona muito bem há décadas. Temos os Correios como um grande parceiro e reconhecemos a magnitude desse processo de entrega dos livros para cada aluno da rede pública. Mas nós não temos um plano B, por exemplo. Assim como nunca foi realizado um diagnóstico nesse modelo de distribuição, e tenho certeza que, ao realizarmos essa avaliação, conseguiremos identificar possíveis problemas e tornar o programa ainda mais eficaz”, conta Nadja Cézar, coordenadora geral do livro no FNDE.

E foi pensando em tudo isso que o Centro de Computação Científica e Software Livre, C3SL, da Universidade Federal do Paraná, vem realizando dois projetos que buscam a melhoria do PNLD. Uma delas é a “Pesquisa sobre otimização do modelo da logística de distribuição dos livros e materiais do PNLD, com suporte técnico para processos de contratação de serviços”. Apesar do nome comprido, o que o C3SL pretende é sistematizar e organizar toda a cadeia de produção e por meio disso, propor melhorias. “Ao longo de seus mais de 80 anos de existência, o FNDE aperfeiçoou o PNLD de modo a garantir que ele alcance o seu objetivo de entregar os livros às crianças em todas as regiões do país. Como a sociedade muda constantemente, a logística também precisa acompanhar essas mudanças. O desafio, em um cenário tão complexo, é obter um entendimento sistematizado, organizado, que apoie a análise do processo e a proposição de melhorias que otimizem o trabalho executado. É aí que o C3SL entra”, explica o professor Marcos Castilho, coordenador do projeto dentro do grupo de pesquisa.

Atualmente, o FNDE executa toda a logística de distribuição dos livros didáticos junto aos Correios e às editoras cadastradas. Um diagnóstico já produzido pelo projeto da UFPR mostra que há dezenas de partes interessadas envolvidas, atuando em um processo complexo. São centenas de conceitos, regras e especificações que detalham todo o processo. O trabalho é tão intenso que, da realização dos pedidos pelas escolas à entrega dos livros a cada uma delas, o FNDE orquestra e monitora toda a cadeia de produção: da especificação da qualidade exigida para os livros, seus tamanhos e pesos, até os procedimentos de entrega e conferência das encomendas.

Painel de indicadores

Além da pesquisa com logística, o C3SL desenvolve também o projeto Painel PNLD em que professores e bolsistas do grupo estão reunindo e tratando todos os dados constantes nas bases do FNDE e do MEC para criar um banco de inúmeras possibilidades de dados e de cruzamento deles. “Com esse painel, a gente consegue extrair e visualizar de forma integrada dados como ano, programa, escola, editora, títulos, valores e muitos outros que poderão ser usados de forma gerencial por todas as unidades, além de servir de consulta para a sociedade”, conta o professor coordenador do projeto, Eduardo Todt.

Essa disponibilização de uma plataforma unificada permitirá que o próprio FNDE extraia dados e os utilize para o gerenciamento, controle e também criação de novas políticas dentro do próprio órgão. “Esse painel vai ajudar o FNDE a propagar a informação e auxiliar, por exemplo, órgãos de controle da União, assim como para as redes de ensino, que poderão ter essa informação em um clique”, celebra Nadja.

E para que esses dados se tornem públicos e livres, o C3SL disponibilizará toda informação necessária para que o FNDE possa criar novos painéis de indicadores de forma livre. “A visão unificada de indicadores permite em um olhar para as informações consolidadas de diversos processos e contratos. Excelente para combater falhas, fraudes e dar transparência. E para isso, o software livre é fundamental, ofertando não só o conhecimento, mas também a possibilidade de reprodução do conhecimento de maneira facilitada, sem amarras”, explica Todt.

“O que a gente busca é a máxima transparência do processo, que todos os anos movimenta muito dinheiro público. É o nosso dever, e as parcerias que desenvolvemos com as universidades públicas é uma forma de trazer para a sociedade um retorno por meio de pesquisas, dados, análises técnicas que proponham e implementem melhorias por meio do incentivo à pesquisa e à Ciência”, finaliza a coordenadora do programa.

Sobre o C3SL

O Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) é um grupo de pesquisa do Departamento de Informática da UFPR que realiza pesquisas em diferentes áreas do conhecimento e que podem ser empregadas para aprimorar processos e serviços tanto para empresas  por meio da Lei de Informática e Lei do Bem, quanto para instituições e órgãos públicos. São seis linhas de pesquisa ativas no grupo: Ciências Forenses Computacionais; Inteligência Artificial Aplicada; Medicina Assistida por Computação Científica; Preservação Digital; Sistemas Computacionais Avançados; Sistemas para Informática na Educação. Os projetos realizados pelo grupo de pesquisadores são direcionados para a inclusão digital, buscando sempre beneficiar a sociedade brasileira de maneira geral. Assim, todo pacote de software que resulta destes estudos é publicado em forma de software livre.

www.c3sl.ufpr.br

Aprovados no processo seletivo 10/2022

Os candidatos abaixo foram aprovados no processo seletivo do C3SL (que teve início em 10/2022).
Também há uma lista de candidatos em lista de espera, devido a prospecção de novos projetos estar em andamento devido ao fim do ano e início do novo ano.
Parabéns a todos!

O início das atividades será comunicado por e-mail oportunamente.

Aprovados (em ordem alfabéticas):

  • Eduardo Mathias de Souza
  • Gustavo Silveira Frehse
  • Janaína Saldiva Kshesek
  • Maria Carolina Sauer
  • Tiago Serique Valadares
  • Vinícius Mioto
  • Simone Dominico
  • Jonas Lopes Guerra
  • João Armênio Silveira
  • Deógenes Pereira da Silva Junior


Lista de espera (Em ordem de seleção):

  • Lucas Gabriel Batista Lopes
  • Thales Gabriel Carvalho de Lima
  • Leonardo Marin Mendes Martin
  • Eduardo Costa Brito

Nota:

Aos que não foram aprovados, havendo disponibilidade financeira a partir de novos projetos
os candidatos da lista de espera poderão ser chamados. Não se sintam desencorajados a tentar novamente no futuro. A seleção foi extremamente disputada e ficamos muito felizes com a participação de vocês, obrigado e boa sorte!