Pesquisa de doutorando do DInf fica entre as 3 melhores em Congresso Internacional

O doutorando do Departamento de Informática e orientando do professor do C3SL, Eduardo Almeida, Sérgio Luiz Marques Filho, teve seu trabalho reconhecido como uma das 3 melhores pesquisas durante a edição de 2023 do Congresso ACM SIGMOD/PODS, realizado em Seattle, nos EUA. A apresentação do pesquisador foi custeada pelo C3SL.

O Congresso aconteceu dos dias 18 a 23 de junho e é um dos mais importantes fóruns internacional para pesquisadores, profissionais, desenvolvedores e usuários de bancos de dados para explorar ideias e resultados de ponta, além de uma grande oportunidade de  troca de técnicas, ferramentas e experiências.

A pesquisa do Sérgio, intitulada “Discovering Denial Constraints Using Boolean Patterns”, trata da descoberta de Restrições de Negação (RN) utilizando um novo método denominado Boolean Patterns, que reduz drasticamente as estruturas intermediárias necessárias para a descoberta de RN e que pode ser implementado em software e em hardware utilizando FPGA para acelerar a descoberta de RN.

“Depois de apresentarmos o poster, fomos convidados a apresentar o trabalho junto com os demais, isso foi muito positivo. Somos os primeiros brasileiros a chegar tão longe nessa competição”, disse Sérgio. O trabalho faz parte da sua pesquisa de doutorado, e a partir de agora terá continuidade.

UFPR lança plataforma que mapeia formação docente dos mais de 2 milhões de professores no Brasil 

Entre os dados do Mapfor estão os de que 43% dos docentes do Brasil possuem pós-graduação, 5% não possuem uma formação mínima e 38% das docências não estão com formação adequada.

Qual é a formação dos professores brasileiros? Essa é a reposta que o projeto Mapfor, lançado nesta semana procura responder. A plataforma foi desenvolvida por meio de uma parceria entre o Grupo de pesquisa interinstitucional Laboratório de Dados Educacionais (LDE), que reúne a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Federal de Goiás (UFG) e o Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) da UFPR. O projeto mapeia a formação dos docentes atuantes em escolas públicas e privadas seja no contexto brasileiro, de um estado, município ou mesmo de cada escola por meio de dados do Censo Escolar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Também apresenta dados das matrículas e cursos de licenciatura no Brasil, estados, municípios, instituições ou ainda em cada local de oferta com base nos dados do Censo da Educação Superior (Inep).

A plataforma foi pensada para ser um instrumento de planejamento e acompanhamento das políticas de formação de professores, tanto em instituições formadoras (universidades e demais instituições de ensino superior), quanto nas unidades governamentais responsáveis pela gestão da educação básica (secretarias de educação, conselhos de educação, comissões parlamentares etc.). Também busca apresentar um diagnóstico da realidade da formação dos mais de 2 milhões de docentes brasileiros, bem como das mais de 1.500 mil matrículas em cursos de licenciatura.

“O lançamento da Plataforma foi uma atividade vinculada aos 50 anos do Setor de Educação da UFPR, setor a qual se vincula o grupo do LDE. A plataforma foi desenvolvida com recursos de Emenda Parlamentar da Senadora Gleisi Hoffmann. O Mapfor tem sua origem ainda em 2018 quando foi desenvolvida a Plataforma Mapfor Paraná, financiada pela Prograd da UFPR.  O projeto foi ampliado pelo entendimento que fazer um diagnóstico da realidade com base em dados e indicadores como os apresentados pela plataforma é apenas uma das maneiras que a universidade tem de contribuir na promoção de políticas públicas para o país”, disse Gabriela Schneider, coordenadora do LDE.

Entre os dados coletados, tratados e disponibilizados no formato aberto, de software livre, é possível observar especificações sobre a formação docente, a oferta e a demanda dessa formação. “A gente viveu nos últimos anos o que chamamos de apagão de dados de várias áreas, e a educação foi uma delas. Então, hoje, termos um projeto como Mapfor, que traz transparência em formato de código aberto é uma grande vitória para a Educação e para o desenvolvimento da pesquisa e da ciência. A questão da Lei de Proteção de Dados vem sendo usada como ferramenta para chancelar a falta de transparência dos dados públicos, e projetos como este devem ser cada vez mais produzidos e divulgados”, explica Eduardo Almeida, professor do Departamento de Informática da UFPR e pesquisador do C3SL.

Dados e políticas públicas

O raio-x da formação docente revelou, entre muitos resultados, que a Região Sul é quem mais possui professores com pós-graduação (62,4%), seguido pela Região Centro-Oeste (49,8%), Nordeste (39,7%), Sudeste (38,8%) e Norte (33%). É possível ainda filtrar por estado, município e até mesmo por escola. Além disso, é possível acompanhar de 2012 a 2019, a quantidade de cursos de licenciatura ofertado, assim como o número de matrículas realizadas em cursos de licenciaturas, que vem aumentando: em 2012 foram pouco mais de 1.300.000 e em 2019 esse dado cresceu para 1.687.000.

“Esse é um levantamento muito importante para a Educação, que somente a universidade consegue realizar. Claro que grandes empresas de informática têm essa capacidade, mas não têm interesse, assim como o governo por si próprio não tem ferramenta, nem mão-de-obra para tal. É aí que entra a universidade pública como braço para que, a partir desses dados, possam existir políticas de formação dos professores”, disse Luiz Bona, chefe do departamento de Informática e pesquisador do C3SL.

Para a execução do projeto, levantamento, tratamento, criação da plataforma, foram envolvidos mais de 15 estudantes bolsistas da Universidade, que trabalharam durante mais de um ano e maio para colocar a plataforma no ar. “É muito muito interessante participar deste espaço que a universidade proporciona, onde projetos e pesquisas interdisciplinares podem acontecer com facilidade. Além, é claro da importância pra gente como estudante de participar de um projeto tão grande e que pode contribuir muito com a educação. Saber que a universidade pode ser um espaço não só de aprendizado, mas também de execução de projetos aplicáveis à realidade do país, é um grande passo na carreira”, finalizou Fernando Gbur, um dos bolsistas do Mapfor.

Sobre o C3SL

O Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) é um grupo de pesquisa do Departamento de Informática da UFPR que realiza pesquisas em diferentes áreas do conhecimento e que podem ser empregadas para aprimorar processos e serviços tanto para empresas  por meio da Lei de Informática e Lei do Bem, quanto para instituições e órgãos públicos. São seis linhas de pesquisa ativas no grupo: Ciências Forenses Computacionais; Inteligência Artificial Aplicada; Medicina Assistida por Computação Científica; Preservação Digital; Sistemas Computacionais Avançados; Sistemas para Informática na Educação. Os projetos realizados pelo grupo de pesquisadores são direcionados para a inclusão digital, buscando sempre beneficiar a sociedade brasileira de maneira geral. Assim, todo pacote de software que resulta destes estudos é publicado em forma de software livre.

www.c3sl.ufpr.br

C3SL recebe palestra de egresso e ex-bolsista que atua em um dos maiores streamings da África

Os bolsistas do C3SL tiveram a oportunidade de conferir uma palestra com o egresso do Departamento de Informática e ex-bolsista do C3SL, Diego Pasqualin. Diego, que é Engenheiro de Mídia há aproximadamente 3 anos na Showmax, um dos maiores streamings do continente africano e presente em mais de 80 países da África Subsaariana, recentemente se mudou para o Brasil, mas até pouco tempo morava na República Tcheca. O profissional trabalha no time responsável por melhorar o sistema de compressão de vídeo e áudio, procurando sempre maximizar a qualidade visual e auditiva ao mesmo tempo em que se reduz o tamanho dos arquivos transferidos. Durante a passagem por Curitiba, Diego fez questão de passar no C3SL.

“Participei do C3SL durante praticamente toda minha carreira acadêmica e falo com segurança e orgulho que o grupo ensina e oferece excelência em desenvolvimento de software, com o benefício extra de um grande e positivo impacto social. Posso citar como exemplo o Linux Educacional, utilizado por milhões de alunos, professores e técnicos nas escolas públicas brasileiras e do qual tive o prazer de participar. Quando estava buscando oportunidades na Nova Zelândia me diverti comentando que a base de usuários do Linux Educacional correspondia, na época, ao dobro da população do país, e a partir do C3SL prestávamos suporte e atualização automática aos centenas de milhares de computadores integrantes do projeto, escala essa que impressiona qualquer entrevistador”, disse Diego.

Na conversa com os alunos, o ex-bolsista contou como funciona toda a engenharia de dados da plataforma e deu mais detalhes sobre a indústria de streamings, além de curiosidades. Entre elas o fato de que todos os engenheiros da ShowMax moram em Praga, e todas as versões dos arquivos trabalhados ficam numa “nuvem” que tem sede na Alemanha. Ainda, relatou curiosidades sobre a cultura local em que o streaming é líder de mercado, que impacta na rotina de trabalho, como por exemplo o fato de que todos os dias na África do Sul as cidades ficam sem luz uma hora por dia e que todos os moradores possuem um gerador próprio, e que é preciso pensar nisso na hora de criar processos e fluxos. “A Showmax foi a primeira plataforma de streaming a disponibilizar download para assistir offline pensando nisso”, conta ele.

Diego ainda falou sobre o uso de software livre em várias etapas do processo, e a importância dele. “O FFMPEG, por exemplo, é um projeto de software livre e que é usado pela maioria dos streamings para comprimir vídeos de altas resoluções. São 10 voluntários no mundo mantendo um programa essencial para esse mercado”, finaliza ele.

Livro didático e tecnologia: como a inovação pode ajudar o PNLD, um dos maiores programas de distribuição de livros didáticos gratuitos do mundo

Grupo de pesquisa da UFPR da área de informática busca otimização no processo de logística do programa e está desenvolvendo painel de indicadores

85 anos. Esta é a idade do Programa Nacional do Livro Didático, o PNLD, programa desenvolvido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), no Ministério da Educação. Para se ter uma ideia, atualmente, são mais de 172 milhões de livros distribuídos nos mais de 5 mil municípios brasileiros. Entre os outros números que impressionam estão também as mais de 150 mil escolas e os 32 milhões de alunos atendidos. Todos esses dados mostram a complexidade de um dos maiores sistemas de produção e entrega de material didático do mundo e alertam para a necessidade de reformulações constantes no programa, que movimenta mais de R$ 1 bilhão por ano. E para que isso aconteça é preciso começar a falar de inovação.

“O sistema de logística do Programa é complexo mas funciona muito bem há décadas. Temos os Correios como um grande parceiro e reconhecemos a magnitude desse processo de entrega dos livros para cada aluno da rede pública. Mas nós não temos um plano B, por exemplo. Assim como nunca foi realizado um diagnóstico nesse modelo de distribuição, e tenho certeza que, ao realizarmos essa avaliação, conseguiremos identificar possíveis problemas e tornar o programa ainda mais eficaz”, conta Nadja Cézar, coordenadora geral do livro no FNDE.

E foi pensando em tudo isso que o Centro de Computação Científica e Software Livre, C3SL, da Universidade Federal do Paraná, vem realizando dois projetos que buscam a melhoria do PNLD. Uma delas é a “Pesquisa sobre otimização do modelo da logística de distribuição dos livros e materiais do PNLD, com suporte técnico para processos de contratação de serviços”. Apesar do nome comprido, o que o C3SL pretende é sistematizar e organizar toda a cadeia de produção e por meio disso, propor melhorias. “Ao longo de seus mais de 80 anos de existência, o FNDE aperfeiçoou o PNLD de modo a garantir que ele alcance o seu objetivo de entregar os livros às crianças em todas as regiões do país. Como a sociedade muda constantemente, a logística também precisa acompanhar essas mudanças. O desafio, em um cenário tão complexo, é obter um entendimento sistematizado, organizado, que apoie a análise do processo e a proposição de melhorias que otimizem o trabalho executado. É aí que o C3SL entra”, explica o professor Marcos Castilho, coordenador do projeto dentro do grupo de pesquisa.

Atualmente, o FNDE executa toda a logística de distribuição dos livros didáticos junto aos Correios e às editoras cadastradas. Um diagnóstico já produzido pelo projeto da UFPR mostra que há dezenas de partes interessadas envolvidas, atuando em um processo complexo. São centenas de conceitos, regras e especificações que detalham todo o processo. O trabalho é tão intenso que, da realização dos pedidos pelas escolas à entrega dos livros a cada uma delas, o FNDE orquestra e monitora toda a cadeia de produção: da especificação da qualidade exigida para os livros, seus tamanhos e pesos, até os procedimentos de entrega e conferência das encomendas.

Painel de indicadores

Além da pesquisa com logística, o C3SL desenvolve também o projeto Painel PNLD em que professores e bolsistas do grupo estão reunindo e tratando todos os dados constantes nas bases do FNDE e do MEC para criar um banco de inúmeras possibilidades de dados e de cruzamento deles. “Com esse painel, a gente consegue extrair e visualizar de forma integrada dados como ano, programa, escola, editora, títulos, valores e muitos outros que poderão ser usados de forma gerencial por todas as unidades, além de servir de consulta para a sociedade”, conta o professor coordenador do projeto, Eduardo Todt.

Essa disponibilização de uma plataforma unificada permitirá que o próprio FNDE extraia dados e os utilize para o gerenciamento, controle e também criação de novas políticas dentro do próprio órgão. “Esse painel vai ajudar o FNDE a propagar a informação e auxiliar, por exemplo, órgãos de controle da União, assim como para as redes de ensino, que poderão ter essa informação em um clique”, celebra Nadja.

E para que esses dados se tornem públicos e livres, o C3SL disponibilizará toda informação necessária para que o FNDE possa criar novos painéis de indicadores de forma livre. “A visão unificada de indicadores permite em um olhar para as informações consolidadas de diversos processos e contratos. Excelente para combater falhas, fraudes e dar transparência. E para isso, o software livre é fundamental, ofertando não só o conhecimento, mas também a possibilidade de reprodução do conhecimento de maneira facilitada, sem amarras”, explica Todt.

“O que a gente busca é a máxima transparência do processo, que todos os anos movimenta muito dinheiro público. É o nosso dever, e as parcerias que desenvolvemos com as universidades públicas é uma forma de trazer para a sociedade um retorno por meio de pesquisas, dados, análises técnicas que proponham e implementem melhorias por meio do incentivo à pesquisa e à Ciência”, finaliza a coordenadora do programa.

Sobre o C3SL

O Centro de Computação Científica e Software Livre (C3SL) é um grupo de pesquisa do Departamento de Informática da UFPR que realiza pesquisas em diferentes áreas do conhecimento e que podem ser empregadas para aprimorar processos e serviços tanto para empresas  por meio da Lei de Informática e Lei do Bem, quanto para instituições e órgãos públicos. São seis linhas de pesquisa ativas no grupo: Ciências Forenses Computacionais; Inteligência Artificial Aplicada; Medicina Assistida por Computação Científica; Preservação Digital; Sistemas Computacionais Avançados; Sistemas para Informática na Educação. Os projetos realizados pelo grupo de pesquisadores são direcionados para a inclusão digital, buscando sempre beneficiar a sociedade brasileira de maneira geral. Assim, todo pacote de software que resulta destes estudos é publicado em forma de software livre.

www.c3sl.ufpr.br

Aprovados no processo seletivo 10/2022

Os candidatos abaixo foram aprovados no processo seletivo do C3SL (que teve início em 10/2022).
Também há uma lista de candidatos em lista de espera, devido a prospecção de novos projetos estar em andamento devido ao fim do ano e início do novo ano.
Parabéns a todos!

O início das atividades será comunicado por e-mail oportunamente.

Aprovados (em ordem alfabéticas):

  • Eduardo Mathias de Souza
  • Gustavo Silveira Frehse
  • Janaína Saldiva Kshesek
  • Maria Carolina Sauer
  • Tiago Serique Valadares
  • Vinícius Mioto
  • Simone Dominico
  • Jonas Lopes Guerra
  • João Armênio Silveira
  • Deógenes Pereira da Silva Junior


Lista de espera (Em ordem de seleção):

  • Lucas Gabriel Batista Lopes
  • Thales Gabriel Carvalho de Lima
  • Leonardo Marin Mendes Martin
  • Eduardo Costa Brito

Nota:

Aos que não foram aprovados, havendo disponibilidade financeira a partir de novos projetos
os candidatos da lista de espera poderão ser chamados. Não se sintam desencorajados a tentar novamente no futuro. A seleção foi extremamente disputada e ficamos muito felizes com a participação de vocês, obrigado e boa sorte!

C3SL: 20 anos de história e nova fase para o grupo de pesquisa

Projetos, bolsas para estudantes e tecnologia para a sociedade marcam os 20 anos de história do grupo

Um grupo de pesquisa que movimenta uma média de 720 bolsas de estudo para alunos de graduação e pós-graduação por ano. Esse é o quanto o C3SL, Centro de Computação Científica e Software Livre, vem impactando o mercado de trabalho, a comunidade acadêmica e a sociedade ao propor pesquisa, desenvolvimento e tecnologia. E foi pensando nisso que bolsistas, professores e agentes parceiros da UFPR participaram de um evento no auditório do Departamento de Informática.

“Os 20 anos do C3SL têm importante contribuição na história da tecnologia no país. Por exemplo, o grupo tem participação na implantação da digitalização das escolas públicas do país, por meio do programa Paraná Digital que, em 2003, levou um modelo de sistema computacional e gerência remota para mais de 2 mil escolas no estado e depois acabou dando origem ao desenvolvimento do Linux Educacional, que até hoje é referência para o ensino público. Esse é apenas um dos exemplos da contribuição do C3 para a sociedade. Queremos que cada vez mais possamos atuar em prol da pesquisa, do desenvolvimento e do software livre no país”, conta o professor e pesquisador Marcos Castilho, um dos fundadores do grupo.

E para celebrar toda essa história, o grupo convidou Simone Israel, da Agência de Parcerias da Superintendência de Inovação (SPIn) que foi com a equipe da Agência, e Carla Marcondes, da Secretaria de Projetos do setor de Ciências Exatas. “São parceiras que atuam como facilitadoras e, principalmente, como estimuladoras da pesquisa. Parece uma coisa simples quando a gente fala na gestão de bolsas, por exemplo. Mas não é. Estamos falando de estudantes que têm a possibilidade de promover desenvolvimento tecnológico com retorno financeiro. Hoje temos alunos que auxiliam na renda familiar com a bolsa, isso é um impacto social que não tem dimensão”, ressaltou Edemir Maciel, pesquisador responsável pela administração do grupo.

Durante o encontro, além da apresentação do professor Marcos Castilho sobre a história do C3SL, bolsistas puderam apresentar e explicar projetos que estão em desenvolvimento atualmente, como é o caso do MecRED, plataforma educacional que oferece a professores de todos os níveis mais de 300 mil recursos de forma gratuita. “Pra gente é muito importante vir aqui conhecer, ver os alunos apresentando os projetos desenvolvidos. É um reflexo do trabalho que estamos fazendo e é um grande motivador. Porque muitas vezes ficamos atrás dos processos e deixamos de lado a sensibilidade de perceber que para cada bolsa, é um pessoa, uma equipe que está colaborando para o desenvolvimento do país”, disse Simone, da SPIn.

O evento também buscou apresentar uma nova fase para o C3SL, em que haverá foco na prospecção de parcerias e projetos com o governo e, sobretudo com o mercado, de forma a estimular ainda mais as verbas direcionadas para pesquisa e formação de mão de obra qualificada. “Nossa ideia é trazer cada vez mais recursos e possibilidades para o C3SL e para a comunidade acadêmica. Estamos ampliando esforços de comunicação e estratégico para poder oferecer ainda mais para o desenvolvimento tecnológico”, finalizou Edemir.

Convocação para as entrevistas da chamada de seleção de novos bolsistas 11/2022

Aqui estão os entrevistados do C3SL.

Terça-Feira (22/11)

9:30h
1. Bernardo Pavloski Tomasi
2. Bruno Aquiles de Lima

10:00h
3. Bruno Fuchs Santos da Silva
4. Eduardo Costa Brito
5. Eduardo Mathias de Souza
6. Fábio Naconeczny da Silva

11:00h
7. Gabriel de Oliveira Pontarolo
8. Guilherme Costa Pateiro
9. Gustavo Silveira Frehse
10. Janaína Saldiva Kshesek

Quarta-feira (23/11)

9:30h
11. João Armênio Silveira
12. Leonardo Marin Mendes Martin

10:00h
13. Lucas Correia de Araújo
14. Lucas Gabriel Batista Lopes
15. Maria Carolina Sauer
16. Mateus dos Santos Herbele

11:00h
17. Natael Pontarolo Gomes
18. Nico Iancoski Guimaraes Ramos
19. Pedro Vinícius Sousa da Silva
20. Rafael Gonçalves dos Santos

Quinta-feira (24/11)

9:15h
21. Rodrigo Saviam Soffner
22. Seijiro Yanagiya Midzuno
23. Silvana Cristina David Ribaski

10:00h
24. Sofia Pessini Scherer
25. Thales Gabriel Carvalho de Lima
26. Tiago Serique Valadares
27. Vinícius Evair da Silva

11:00h
28. Vinícius Mioto
29. Yago Yudi Vilela Furuta
30. Yan Oliveira da Costa
31. Yasmin de Campos Fernandes

– –

Os horários são somente para fins indicativos, caso você chegue antes do seu horário há a possibilidade de entrevistar antes, por ordem de chegada.

Caso o candidato perca a entrevista, mande um e-mail informando e remarcaremos se possível, mas vale ressaltar que os horários devem ser respeitados sempre que possível.

As entrevistas são realizadas na sala de reunião do C3SL, em frente ao lab3 no primeiro andar do DInf (Departamento de Informática). Nós mesmos vamos chamando os candidatos conforme as entrevistas andarem.
Pedimos que mantenha o celular no modo silencioso durante a realização da sua entrevista.

Candidatos que não foram selecionados na primeira etapa poderão entrar para a lista de espera, portanto, deem o seu melhor!

Boa sorte a todos!

C3SL no CTRL+E 2019

A quarta edição do Congresso Sobre Tecnologias na Educação – Ctrl+e, que aconteceu entre os dias 28 e 30 de agosto de 2019, na cidade do Recife, capital pernambucana, contou com a presença marcante do C3SL – Centro de Computação Científica e Software Livre, da Universidade Federal do Paraná – UFPR, com a apresentação do Projeto Plataforma Integrada MEC RED – Portal MEC.

Com a ideia de compartilhar experiências e conhecimentos de diferentes áreas, tendo como objetivo de lidar com importantes questões envolvendo tecnologias na educação, o Portal MEC foi apresentado por Marcos Alexandre Castilho, Henrique Varella Ehrenfried e Gabriel de Souza Barreto, Professor Doutor, Doutorando e Graduando de Ciência da Computação, respectivamente.

Possuindo tecnologias de ponta, quem foram utilizadas para a idealização do Portal MEC, a exposição do tema envolveu a apresentação da ideia dos algoritmos sofisticados desenvolvidos a partir da observação de empresas como Google e Facebook, que possuem algoritmos de alta performance. Porém, estas são tecnologias que compõe o segredo industrial destas empresas. Com isso, o C3SL desenvolveu em seu laboratório, algoritmos que conseguem fazer mecanismos de busca e redes sociais semelhantes aos do Google e Facebook.

Para conhecer mais do acesse Portal MEC.

Conheça também, o C3SL, suas tecnologias e os projetos desenvolvidos por este grande laboratório de pesquisa.

Para acessar a palestra no Congresso Ctrl+e 2019 visite o link: vídeo

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

PARTICIPAÇÃO DO C3SL NO SBRC2019 – HACKATHON

Entre os dias 06 e 10 de maio de 2019, o C3SL (Centro de Computação Científica e Software Livre), do Departamento de Informática, da UFPR, participou apoiando e patrocinando a 37ª edição do Hackathon SBRC 2019, na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul. O tema abordado foi “Cidades Inteligentes”.

Os participantes tiveram uma infra estrutura fornecida pelo programa cidades digitais, que é o primeiro passo para a obter cidades inteligentes, na tentativa de solucionar problemas relacionados a administração e mobilidade urbana, possam ser resolvidos de forma inteligente.

O apoio e patrocínio do C3SL/MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação) ao Hackathon 2019, teve como objetivo de incentivar o desenvolvimento de novas ideias e soluções para dificuldades encontradas nas cidades inteligentes. Sendo assim, o C3SL/MCTIC através do projeto Inclusão Digital Integrada – Monitoramento dos Indicadores de Inclusão Digital do MCTIC forneceu o prêmio principal, uma passagem aérea para cada integrante da equipe vencedora, com destino a cidade que irá sediar o próximo evento, os integrantes da equipe em segundo lugar foram contemplados por fones de ouvido, oferecidas pela SAP Brasil. E para todos os participantes um certificado de participação do SBRC2019-HACKATHON.

Por Marcia Cristina Varella Ehrenfried

Entrega da premiação no evento social

Serviço:

Para conhecer melhor o projeto de inclusão digital acesse o link:

MCTIC

Para conhecer melhor sobre o os projetos que integram o programa cidades digitais acesse o link:

Cidades Digitais

Biblioteca Digital de Periódicos e relação com C3SL

Na manhã do dia 20 de maio de 2019, Elisabete Ferreira, analista de Tecnologia da Informação, e Fabiane Führ, bibliotecária, ambas servidoras do Sistema de Bibliotecas da UFPR (SiBi/UFPR), ministraram a Oficina OJS para os alunos do curso de Gestão da Informação, durante a Semana Acadêmica do Curso de Gestão da Informação da UFPR – 2019.
O Open Journal System (OJS) é um software de gerenciamento e publicação de revistas eletrônicas, desenvolvido pela Public Knowledge Project (PKP) e que permite que todo o fluxo editorial seja realizado dentro de um mesmo sistema, desde a submissão de um artigo pelo autor até a publicação da revista, fornecendo agilidade e transparência ao processo editorial. A Biblioteca Digital de Periódicos da UFPR (BDP/UFPR) utiliza o OJS baixado diretamente da PKP. A implantação em 2004 foi com a versão 2.2.4.0 e que foi realizada em parceria entre o SiBi/UFPR, Centro de Computação e Software Livre (C3SL) e a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG). Em 2013, após o SiBi/UFPR assumir a gestão da BDP/UFPR, houve a migração para a versão 2.4.2.0, ação realizada em conjunto pelos membros do Repositório Digital Institucional (RDI/UFPR), com o auxílio da equipe do Centro de Computação e Software Livre (C3SL).